escreve sobre bibliotecas... reflexões | dicas | debates | notícias | histórias | + reflexões... os serviços web e as bibliotecas :: o leitor e o utilizador :: o bibliotecário e o webmaster :: as tic e os técnicos de biblioteca :: a interoperabilid
.posts recentes

. alguns dos meus últimos t...

. International Literacy Da...

. apenas uma conversa... fi...

. Conversas sobre o futuro ...

. Bibliotecas para a Vida

. EdubitsUA 09 - A Bibliote...

. M-Libraries: algumas reco...

. 10º Congresso da BAD... a...

. A construção da rede e a ...

. Em jeito de adenda de act...

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008
Software Livre, património bibliográfico, bibliotecas digitais e profissionais da informação
Esta terça-feira (12 de Fevereiro) foi passada em Lisboa, entre a Faculdade de Letras e a Biblioteca Nacional (BNP).
Primeiro, para participar no Seminário organizado pela secção de tecnologias da informação da BAD sobre “
Software Livre e os profissionais da informação”, e depois no Colóquio “Patrimómio bibliográfico e novas tecnologias” na BNP.

Sobre o primeiro, a temática e o programa eram apelativos, porque abordados a partir de experiências profissionais concretas.
Na voz de Helena Patrício, ouvimos a experiência da BNP no estudo da aplicação de software livre, na sua produção e na partilha das questões que devem presidir à selecção dos sistemas informáticos para a realização da actividade biblioteconómica.
De Paulo Vilela, tivemos um enquadramento interessante do open source e uma apologia do uso destes sistemas, com destaque para aplicações de escritório electrónico, como a apresentada –
open office.
No primeiro período de debate, que se ficou mais pelos pequenos esclarecimentos técnicos, deu para ficar a ressalva sobre a necessidade de cuidar a gestão da mudança quando se pretende implementar a utilização de novas aplicações open source nas organizações.
No momento seguinte, foram apresentadas as experiências do
Instituto de Informática com o software integrado de gestão de bibliotecas – Koha (Pedro Maia e Ricardo Marques), e na Multicert com a gestão documental baseada no Alfresco (Sofia Neto).
Do relato destas duas experiências, exemplo de boas práticas da incorporação de software livre nas organizações, ficaram demonstradas algumas das virtudes da utilização de sistemas software livre: baixo custo, comunidades de desenvolvimento onde cada um tem a liberdade de introduzir melhorias e de tornar públicas as alterações para benefício de todos, adaptação simplificada às necessidades de cada utilizador.
Resultado das quatro apresentações, das achegas de moderador Rafael António e do espaço de debate, ficaram claras algumas ideias:
1. É fundamental perceber a importância do momento em que se fazem a escolhas iniciais, em que se estudam as possibilidades técnicas, a oferta existente, as opções por software livre, proprietário ou de produção própria, as vantagens e desvantagens das diferentes opções, e por último, como disse Pedro Maia (Instituto de Informática - Koha) “definir muito bem o que é essencial e acessório”.
2. As comunidades de desenvolvimento e partilha de conhecimentos são a grande virtude do software livre, porque, do mesmo modo que os intervenientes neste seminário disponibilizaram o seu contacto para “contarem” da sua experiência, outros em muitas organizações, grupos de discussão, blogs e wikis, demonstram a mesma atitude de partilha e desenvolvimento das tecnologias open source.
3. É bom que estas experiências sirvam de exemplo. Quando outros estudarem as possibilidades de implementação na sua organização, devem ter em linha de conta que alguém, numa instituição vizinha, já pensou ou realizou projectos semelhantes e têm trabalho desenvolvido que podem e querem partilhar. E quem sabe poder dinamizar uma comunidade local/nacional de utilizadores, que muito beneficiará o desenvolvimento dos sistemas.
4. Assim, procurar evitar a tentação, que muitos responsáveis bibliotecários têm, em serem os “inventores da roda”, aquela tendência da singularidade gratuita que apenas serve para despender recursos desnecessariamente – a partilha de saberes entre profissionais e uma rede de competências entre instituições será concerteza sinónimo de sucesso… Um sucesso colectivo e com muitos protagonistas!
Por último, parabéns à secção das tecnologias de informação da BAD pela organização deste evento, significa que está atenta aos sinais dos tempos e capaz de promover o encontro dos profissionais para o debate e formação... mas temos que fazer sempre mais.

Sobre o colóquio na BNP, onde obviamente apenas tive em parte da tarde, devo dizer que me pareceu ter tido um número significativo de participantes, e que as comunicações que escutei foram esclarecedoras sobre os objectivos e resultados dos projectos apresentados.
1. Uma questão interessante sobre estas apresentações é verificar que se abordam as componentes técnicas, nomeadamente requisitos técnicos e normas dos processos de digitalização, com uma profundidade significativa e sem receios. Em seminários e colóquios anteriores nesta área, observei que muitas vezes as especificações mais técnicas dos projectos eram remetidos para a área de “informática”, dando a ideia que os profissionais BAD não participavam de nenhuma forma nessas áreas.
2. Um outro aspecto que me pareceu significativo do debate da tarde foi avançado por Júlio Costa, da Biblioteca Pública Municipal do Porto, alertando para a necessidade de se evitar a duplicação de obras digitalizadas, e afirmou não fazer qualquer sentido a mesma peça documental ser digitalizada em diferentes projectos de digitalização e por diferentes instituições (facto que já verificou). Decorrente deste alerta, Inês Cordeiro reiterou o objectivo que a Biblioteca Nacional tem em criar um registo Nacional de Documentos Digitalizados, que funcionará precisamente como mecanismo para evitar a duplicação e rentabilizar o trabalho desenvolvido por cada um.
3. Para finalizar, parece-me que a grande virtude destes projectos reside na disponibilização do património bibliográfico e na promoção do acesso alargado ao património documental à guarda das instituições.



.mais sobre mim
.pesquisar neste blog
 
.Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO
.subscrever feeds